Novembro Azul e Câncer de Próstata

A campanha começou em um Pub, na Austrália, em 2003, com um grupo de amigos tiveram a ideia de deixar o bigode crescer durante todo o mês como apoio à conscientização da saúde do homem com ênfase na prevenção e no diagnóstico precoce, assim o mês de novembro sendo escolhido para comemorar, e torna o dia 17, O Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata, e no decorrer dos anos foi ganhando proporção em vários países. Em 2004 foi criado o Movember Foundation Charity (Moustache + November em inglês, Bigode e Novembro), onde homens e mulheres se juntaram para mostrar a importância do cuidado com a saúde masculina e na promoção de eventos de arrecadação de fundos, hoje sendo uma campanha mundial.

No Brasil, o Novembro Azul chegou através do Instituto Lado a Lado pela Vida em parceria com a Sociedade Brasileira de Urologia com o objetivo de quebrar o preconceito masculino de ir ao urologista, realizando, em 2014, 2.200 ações em todo o país. Além do bigode ele é representado pela cor azul e assim como no Outubro Rosa, há a iluminação em pontos turísticos, como Cristo Redentor, Congresso Nacional, Teatro Amazonas, Monumento às Bandeiras, levando a prevenção ao câncer de próstata através dos exames regulares e a atenção à saúde.

Câncer de Próstata

O câncer próstata é o mais comum entre os homens, sendo o resultado de uma multiplicação desordenada das células da próstata, e é a causa de morte de 28,6% da população masculina pois na fase inicial, o câncer não tem sintomas e em 95% dos casos, eles aparecem em estágio avançado, o que torna essencial exames preventivos frequentes, principalmente em homens a partir de 50 anos.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer – INCA, para o Brasil, estimam-se 68.220 casos novos de câncer de próstata para o ano de 2019. Esses valores correspondem a um risco estimado de 66,12 casos novos a cada 100 mil homens.

Os principais sintomas são:

– A sensação de que sua bexiga não se esvaziou completamente e ainda persiste a vontade de urinar; – Dificuldade de iniciar a passagem da urina;
– Dificuldade de interromper o ato de urinar;
– Urinar em gotas ou jatos sucessivos;
– Necessidade de fazer força para manter o jato de urina;
– Necessidade premente de urinar imediatamente;
– Sensação de dor na parte baixa das costas ou na pélvis (abaixo dos testículos);
– Problemas em conseguir ou manter a ereção;
– Sangue na urina ou no esperma (esses são casos muito raros);
– Dor durante a passagem da urina;
– Dor quando ejacula;
– Dor nos testículos;
– Dor lombar, na bacia ou nos joelhos;
– Sangramento pela uretra.

Na fase muito avançada, o câncer de próstata pode provocar dor óssea, sintomas urinários ou, quando mais grave, infecção generalizada ou insuficiência renal.

Os fatores de riscos são:

– Histórico familiar de câncer de próstata: avô, pai, irmão e tio, tendo o risco de desenvolver a doença em 50%;
– Raça: homens negros sofrem maior incidência deste tipo de câncer;
– Sobrepeso e obesidade;
– Tendo incidência maior acima dos 50 anos;
– Consumo excessivo de álcool e tabagismo.

A melhor forma de prevenir o câncer de próstata é o diagnostico precoce que dá até 90% de chance de cura. A ida ao urologista periodicamente é essencial, recomendado a partir dos 45 anos, que irá investigar através de exames de sangue PSA e pelo toque retal. Em casos suspeitos o paciente é submetido a ultrassom transretal e a biópsia da próstata.

Sabe-se que uma mudança no estilo de vida é crucial para aumentar a sobrevida, incluindo uma alimentação saudável e a prática de atividades físicas no dia a dia.

Assessoria FAP