Projeto Magna realiza palestra no Hospital da FAP

Aproveitando a passagem por Campina Grande, o projeto de dança Magna esteve nesta quarta-feira, 04 de setembro, no Hospital da FAP realizando uma palestra “Ativando o Poder de Cura através da Dança”, que conduziu o público a vivenciar os efeitos da dança na promoção à saúde.

O momento foi realizado no Auditório do Hospital da FAP, voltada para pacientes e aberta ao público em geral, ministrado pela bailarina, jornalista e produtora cultural, Christianne Galdino.

O evento é de grande importância para aqueles que estão em tratamento e seus acompanhantes, para Edjane Bastista, paciente desde 2014 e voluntária da FAP, “ela é muito importante para os pacientes para dar mais força e fé, o câncer não é uma sentença de morte e sim um começo de vida”.

Célula Magna é um espetáculo de dança e terá uma apresentação única no dia 15 de setembro às 17h, no Teatro Municipal Severino Cabral, com ingresso no valor de R$ 10,00 e convoca os expectadores a levarem alimentos não perecíveis, que será revertido em doados ao Hospital da FAP.

PALESTRA/VIVÊNCIA – CÉLULA MAGNA

O projeto iniciou-se em Recife a partir da sua experiência pessoal durante o tratamento do câncer de mama (diagnosticado no final de 2017), Christianne relata as atitudes e instrumentos que utilizou no caminho de cura a dança na promoção à saúde, como terapia complementar para os pacientes oncológicos ou ação preventiva para o restante da população. Partindo do princípio que a dança é uma atividade que traz os benefícios físicos, por se tratar de um exercício aeróbico, e também funciona como mecanismo antiestresse; a palestrante conduz os participantes para experimentar na prática o seu poder de cura, ativado através de uma vivência de dança, e o encontro termina com uma grande “ciranda” da saúde e do empoderamento feminino.

“Levar esta palestra e o espetáculo à Campina Grande, é como trazer minha mãe de volta à sua amada cidade natal, e por isso, é tão importante para mim. É mostrar às tantas mulheres que sofrem com este diagnóstico, que existe vida e que ela pode ser muito melhor, depois do câncer. É possível vencer, é possível curar e, depende de nós. Minhas raízes são campinenses, então apresentar o MAGNA em Campina Grande tem um gosto mais que especial, o gosto de estar em casa” – comenta a criadora do espetáculo, Christianne Galdino.

Assessoria FAP